Risoto ao funghi com socol: receita

6
Risoto ao funghi com socol: receita

Se tem uma coisa que amo comer, é tal o risoto! Hoje você vai conferir a receita de risoto ao funghi com socol.

Risoto ao funghi com socol.
O socol é um produto típico da região de Venda Nova do Imigrante/ES.

Fui convidada pelo SEBRAE para visitar o stand Sabor Capixaba dentro da Super Feira ACAPS Panshow 2017.

A iniciativa é super legal e visa valorizar a cultura gastronômica do Espírito Santo.

Conheci e recebi vários produtos regionais para provar e poder contar sobre eles para você.

Um dos produtos é a estrela do post de hoje, o socol!

Recebi uma porção de socol do Tio Vé e corri para a cozinha para reproduzir uma receita, inclusive acho que é autoral! Rs.

Mas antes, vamos conhecer um pouco sobre o socol do Tio Vé?


Socol Tio Vé

O nosso SOCOL é um aperitivo tradicional da cultura italiana, produzido especialmente em Venda Nova do Imigrante. A receita foi passada de geração em geração e até os dias de hoje é produzido artesanalmente pela Família Tio Vé e junto com o clima propício do recanto, fica ainda mais gostoso!


Agora vamos para a receita, afinal, você está aqui só para conferir ela! Rs

Risoto ao funghi com socol: receita

Ingredientes:

1 e ½ xícaras de arroz arbóreo;

1 cebola picada;

5 pedaços de funghi chileno;

Caldo de legumes – em média uns 500ml (fiz natural, mas você pode substituir por 1 e ½ tabletes de caldo de legumes);

1 e ½ colheres de sopa de manteiga;

60grs (em média) de queijo parmesão ralado;

10 fatias de socol;

Azeite e sal a gosto.

Modo de preparo:

Aqueça (no máximo 200ml) água e adicione o cogumelo funghi chileno, aguarde em média 30 minutos, e corte em cubinhos.

Reserve a água do cogumelo.

Em uma panela, aqueça o azeite, adicione a cebola e mexa até ela ficar esbranquiçada.

Em seguida, coloque o arroz arbóreo e mexa até ficar transparente.

Incorpore o cogumelo funghi ao arroz.

Após isto, misture a água do cogumelo junto ao caldo e adicione aos poucos conchas do caldo de legumes ao arroz.

Mexa sem parar até dar o ponto. Faça o teste com um grão de arroz, ao apertar tem que ficar só um ponto.

Este é o ponto considerado correto, mas fica ao seu gosto.

Adicione a manteiga, o queijo e mexa até incorporar. Após isto, coloque o socol fatiado em tiras.

Sirva a seguir.


Risoto ao funghi com socol: dicas

  • Caso você tenha vinho branco em casa, pode adicionar uma taça após colocar o arroz e mexa até evaporar;
  • Para fazer o caldo de legumes caseiro, guarde no congelador restos de legumes. Em uma panela, coloque as aparas, água, sal e deixe ferver. Caldo pronto!.

Como o socol tem um gosto muito marcante, decidi não colocar muito funghi para os sabores não brigarem.

Não entendo NADA de harmonização, mas acho que os sabores ficaram bem legais! 🙂

Comi e fiquei muito feliz com minha receita de risoto ao funghi com socol! O marido provou e disse que gostou, só não sei se foi para me agradar. Rs

Esta receita de risoto ao funghi com socol foi uma forma de valorizar um produto oriundo do nosso ES.

Já estou doida para fazer de novo, desta vez com vinho branco!

Mas deixa chegar o final de semana, a dieta agradece! 😉


Socol Tio Vé: contatos

Você pode obter mais informações sobre o socol do Tio Vé através dos contatos abaixo.

Telefones: (28) 99926-3436 – 99967-8635

Facebook: Recanto do Tio Vé

Endereço: Estrada Alto Bananeiras – KM 02, Venda Nova do Imigrante/ES – CEP: 29.375-000


E aí, o que você achou da receita de risoto ao funghi com socol? Já provou algo parecido?

Para ver outras receitas aqui do blog, é só clicar no link!

Aguardo você nas redes sociais do blog! Não deixe de seguir o perfil do Instagram, e curtir a fanpage do Facebook!

Beijos, fique com Deus!

Previous articleRestaurante Week Espírito Santo 15ª edição: conheça os participantes!
Next articlePipoca de leite ninho: receita
<p>Evangélica, esposa, advogada e grande entusiasta em descobrir e compartilhar novidades!</p> <p>Desde pequena estive envolvida em meio a tecidos e revistas, pois minha mãe trabalhava em uma loja especializada do ramo. Brinquei de comidinha, casinha, de costurar roupas para minhas bonecas. Brinquei também de queimada, futebol, pique-esconde… talvez por crescer fazendo tantas coisas, veio também meu desejo de falar sobre os mais diversos assuntos.</p> <p>Amante do “Faça Você Mesmo” ou “DIY” desde criança, quando cheguei a época da escolha do curso, quis fazer moda. Mas minha mãe disse que isso não era curso “para gente pobre”, então após diversas conversas com familiares, decidi fazer o curso de Direito.</p> <p>Formei (e amo o meu curso!), mas o desejo e gosto por moda, beleza, variedades e minha vontade em compartilhar informações falou mais alto!</p>

Comenta aí, vai!